Como funciona o licenciamento do Windows Server 2016

A arquitetura base do Windows Server 2016, foi refinada para atender uma “nova” demanda de mercado, que é a Cloud Computing, ou comumente conhecida computação em Nuvem. Trata-se de um sistema operacional completo e pronto para a nuvem que oferece suporte às sua carga de trabalho habituais como AD, DNS, DHCP, trazendo também novas tecnologias que facilitam a transição para a computação em nuvem. Isso significa que existe uma gama de novas tecnologias e melhorias embarcadas neste sistema operacional, que obviamente exigem também um licenciamento específico.
Basicamente hoje o Windows Server 2016 trabalha com licenciamento baseado em processamento lógico. O que isso significa na prática… pois bem… Se você possui um servidor com um único processador físico Intel® Xeon® X5460, por exemplo, vai precisar de um único pack de licenças (nativo com o produto). Esse processador possui cerca de 4 núcleos de processamento, o que esta dentro do pacote de licenças. O Windows Server 2016 vem nativamente com um pack de licença para 16 cores (16 núcleos lógicos). Se seu servidor possui por exemplo 32 cores, você precisará de dois packs de licença para um único servidor.
O modelo de licenciamento do Windows Server 2016 inclui Cores + Acesso ao Cliente
Licenças (CALs). Cada usuário e/ou dispositivo acessando uma edição licenciada do Windows Server Standard, Datacenter ou Multiponto requer uma CAL Windows Server ou um Windows Server e uma CAL de Serviços de Área de Trabalho Remota (RDS).
Uma CAL do Windows Server dá a um usuário ou dispositivo o direito de acessar qualquer edição do Windows Server da mesma versão ou versão anterior. Cada CAL do Windows Server permite o acesso a várias licenças do Windows Server. Após a Disponibilidade Geral do Windows Server 2016, o modelo de negócios para as edições Standard e Datacenter passará do licenciamento baseado no processador para o baseado no núcleo. O licenciamento baseado em Core fornece uma métrica de licenciamento mais consistente em ambientes multi-cloud, melhora a portabilidade da carga de trabalho para o Windows Server por meio de benefícios como o Azure Hybrid Use Benefit e ajuda a remover o atrito entre diferentes modelos de licenciamento. Este formato de licenciamento é mais eficiente quando falamos de uso de hardware sob demanda. Abaixo temos um modelo básico de funcionamento desse licenciamento:
Veja, no caso do Windows Server Essentials, não é necessário um pacote de CAL´s pois essa edição possui já embarcado uma quantidade de acessos simultâneos. Como já discutido em um post anterior, a edição Essentials foi desenvolvida para pequenas empresas, comportando até 25 usuários (users) e 50 dispositivos (devices).
Para as edições Standard e Datacenter, podemos listar o licenciamento da seguinte forma:
Todos os núcleos físicos no servidor devem ser licenciados. Os servidores são licenciados com base no número de núcleos do processador no servidor físico.
• É necessário um mínimo de 16 licenças essenciais para cada servidor.
• É necessário um mínimo de 8 licenças essenciais para cada processador físico.
• As licenças básicas serão vendidas em embalagens de dois.
• Oito pacotes de 2 núcleos serão o mínimo necessário para licenciar cada servidor físico. O pacote de 2 núcleos para cada edição é um oitavo do preço de uma licença de 2 processadores para as correspondentes edições do Windows Server 2012 R2.
• Standard Edition fornece direitos para até dois OSEs ou recipientes Hyper-V quando todos os núcleos físicos no servidor são licenciados. Para cada duas VMs adicionais, todos os núcleos no servidor têm de ser licenciados novamente.
• O preço das licenças de 16 núcleos do Windows Server 2016 Datacenter e Standard edition será o mesmo preço que a licença de 2 processadores das edições correspondentes da versão do Windows Server 2012 R2.
• Os servidores de clientes existentes no Software Assurance receberão subsídios básicos conforme necessário, com documentação.
Abaixo segue um modelo básico para melhor entender o formato do licenciamento:
Importante: Após a Disponibilidade Geral do Windows Server 2016, a transição do licenciamento baseado no processador para o licenciamento baseado no núcleo não afetará os clientes com o Software Assurance até a renovação do contrato. Se você possui um contrato do tipo Software Assurance, fique atento às novas regras de licenciamento no momento da renovação.
O ultimo informativo liberado pela Microsoft diz que clientes com Software Assurance receberão um mínimo de 8 núcleos por processador e 16 núcleos por licença de servidor para cada licença de 2 processadores na renovação do contrato. Os fornecedores de serviços receberão um mínimo de 8 licenças principais para cada licença de 1 processador com o Software Assurance na renovação do contrato.
Clientes com licenças Standard Edition e Software Assurance atribuídos a servidores com 4 processadores que executam mais de dois OSEs receberão concessões de licença para cobrir os OSEs adicionais. Se nenhum inventário for feito, serão fornecidas concessões de 8 núcleos por processador e 16 núcleos por servidor (8 pacotes de 2 núcleos) para cada licença de 2 processadores com o Software Assurance. Para suportar a transição de clientes com o Software Assurance para o Windows Server 2016, serão concedidos subsídios básicos para servidores licenciados existentes.
Quando efetuar a compra de licenças relacionadas ao Windows Server 2016, solicite de seu fornecedor um documento chamado Windows Server 2016, Licensing Datasheet. Este documento pode ser encontrado facilmente por canais de pesquisa como Bing e Google, e contêm as regras de licenciamento atualizadas.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*