GLPI – Instalação no Linux CentOS 7

DESCRIÇÃO

O GLPI é um sistema ‘open source’, distribuído sob a licença GPL, isto é, sem nenhum custo para àqueles que buscam organizar a forma como o parque informático será gerenciado pela área de Tecnologia da Informação da sua empresa.

Por fim, esse sistema foi desenvolvido pela associação INDEPNET em 2003. Todavia, em 2009, esse sistema passou para as mãos da TECLIB, cuja qual tornou-o, na minha opinião, um dos melhores softwares de Service Desk do mercado.

Para saber mais informações sobre esse sistema, acesse: http://glpi-project.org/spip.php?lang=en

APLICAÇÃO

Aplica-se ao Linux “CentOS 7.0”.

PROBLEMA

Nenhum.

SOLUÇÃO

Para instalar o GLPI em seu servidor Linux, execute os procedimentos abaixo:

1. Antes de instalar o GLPI e por tratar-se de um ambiente de homologação, desabilite o firewall do seu servidor. Para isso, execute esse comando:

systemctl stop firewalld

Obs. Esse comando apenas desativa temporariamente o firewall do seu servidor Linux. Ante o exposto, caso você o reinicie, tal serviço voltará a funcionar automaticamente. O ideal é que você crie uma regra de ‘não restritiva’ nele, liberando apenas os serviços que você realmente precisa usar. Dessa forma, você deixará o seu servidor menos vulnerável à ameaças (crackers).

1.1. No entanto, caso você deseje desativar definitivamente esse serviço de firewall, execute o comando abaixo:

systemctl disable firewalld

Antes de instalar o GLPI e por tratar-se de um ambiente de homologação, desabilite o firewall do seu servidor. Para isso, execute esse comando:

 1.2. Agora,  você precisa desabilitar o “Selinux” do seu servidor. Para isso, digite em seu console esse comando:

vim /etc/sysconfig/selinux

Depois, modifique a linha “SELINUX=enable” para “SELINUX=disabled”:

SELINUX=disabled

Nota.: Para salvar esse modificação, aperte a tecla “Esc” + “:” + “wq!“.

Esse arquivo deverá ficar dessa forma:

 1.3. Depois de você ter executado os passos acima, reinicie o seu servidor Linux, digitando esse comando:

reboot

2. Antes de instalar o GLPI, é imperativo que sejam instaladas algumas dependências no seu servidor Linux e, a principal delas, é o Apache (httpd):

yum install php php-gd php-mbstring php-mysqli php-mysql httpd httpd-devel -y

2.1. Após instalar o Apache no seu servidor Linux (httpd), você precisa, primeiro, iniciá-lo.

systemctl start httpd.service

2.1.2. E, depois, você precisa habilitá-lo, conforme segue abaixo:

systemctl enable httpd.service

Nota: Com isso, toda vez que você reiniciar o seu servidor Linux, este serviço será executado automaticamente, sem nenhuma intervenção humana.

3. Nesse tópico, trataremos da instalação propriamente dita do GLPI. Em regra, ele é instalado nesse diretório:

cd /var/www/html

Assim sendo, acesse-o. E, em seguida, faça o download da última versão do GLPI.

wget https://github.com/glpi-project/glpi/releases/download/9.1.3/glpi-9.1.3.tgz

Para consultar a última versão do GLPI, acesse esse link: http://glpi-project.org/spip.php?article41. Depois, clique em “Download“, cujo botão fica do lado esquerdo da sua tela. Por fim, passe o cursor do seu mouse sobre o campo “name“, o qual se refere à versão que você pretende instalar no seu servidor Linux. Em seguida, aperte o botão ‘esquerdo’ do seu mouse e, por último, selecione a opção “Copiar endereço do link”. Agora, é só adicionar o comando (wget) antes dele, para baixá-lo.

Exemplo:

3.1. Após ter feito o download do pacote de instalação do GLPI nesse diretório: /var/www/html. Nós precisaremos descompactá-lo, conforme depreende-se abaixo:

Antes, note que a versão que iremos instalar do GLPI é a 9.1.3. Observe que eu acesse o diretório indicado acima e, em seguida, digitei o comando (ls), com o fito de obter tal informação.

Agora que nós sabemos ou confirmamos qual é a versão que iremos instalar do GLPI, execute o comando abaixo, para descompactá-lo.

tar -xzf glpi-9.1.3.tgz

3.2. Não obstante, dê permissão total de acesso à pasta do GLPI, assim como nas demais subpastas.

chmod 777 glpi
chmod -R 777 glpi/*

Atenção: Se você pretende conceder acesso ao GLPI, por exemplo, para usuários externos (Wan). É aconselhável só dar permissão total de acesso apenas algumas subpastas, por motivos de segurança. E uma delas seria essa daqui: /var/www/html/glpi/files.

4. Nesse passo, iremos aprender a configurar o banco de dados do GLPI, que por padrão, ele utiliza o “MariaDB”. Sem delongas, se você não o utiliza, será necessário instalá-lo no seu servidor Linux:

yum install mariadb mariadb-server -y

Nota: o comando “-y” = yes; permite que a instalação desse banco seja feita, sem nenhuma intervenção da sua parte.

4.1. Após ter instalado o banco MariaDB no seu servidor Linux, você precisa, antes, iniciá-lo:

systemctl start mariadb.services ou systemctl start mariadb

4.1.2. Depois, basta habilitá-lo, por meio do comando que segue abaixo:

systemctl enable mariadb.service ou systemctl enable mariadb

4.2. Para que não haja nenhum imprevisto quanto à instalação e configuração do banco de dados “MariaDB“, execute esse comando:

mysql_secure_installation

Após você ter executado o comando acima, será lhe feito 8 (oito) perguntas, quais sejam:

Pergunta 1: Digite “enter”:

Enter current password for root (enter for none): enter 

Pergunta 2: Digite “enter”, para cadastrar uma senha de root. Essa senha será usada para acessar o banco de dados MariaDB:

Set root password? [Y/n] enter

Pergunta 3: Digite “uma nova senha, a qual será usada para acessar o banco MariaDB”:

New password: digite uma nova senha, a qual será usada para acessar o banco MariaDB

Pergunta 4: Digite redigite a nova senha”. É a mesma que você havia digitado na pergunta 3.

Re-enter new password: redigite a nova senha

Pergunta 5: Digite “Y”, para remover os usuários anônimos. Dessa forma, só poderá acessar esse banco quem estiver autorizado à acessá-lo.

Remove anonymous users? [Y/n]   Y

Pergunta 6: Digite “Y”, para desabilitar o login remoto nesse banco de dados:

Disallow root login remotely? [Y/n] Y

Pergunta 7: Digite “Y”, para remover o teste nesse banco de dados:

Remove test database and access to it? [Y/n] Y

Pergunta 8: Digite “Y”, para que seja recarregado todos os privilégios de acesso nas tabelas desse banco de dados:

Reload privilege tables now? [Y/n]  Y

Se tudo ocorrer bem, irá lhe aparecer a mensagem abaixo:

4.3. Após ter instalado o banco de dados MariaDB, nós devemos criar os respectivos itens; instância (base de dados) do GLPI, usuário e senha, para que consigamos acessar a interface Web do GLPI, por meio do navegador (Chrome, Mozila, IE e outros).

Ante o exposto, digite o comando que segue abaixo, para acessar o banco de dados MariaDB:

mysql -u root -p

-u = nome do usuário

-p = password (senha)

Em seguida, digite àquela mesma senha que você havia cadastrado na pergunta 3 e 4, para acessá-lo.

Ao digitar a sua senha do banco de dados. E, caso ele esteja certa, você irá se deparar com a tela, abaixo:

4.3.1. Não obstante, vamos agora, criar a instância do GLPI dentro do banco de dados do MariaDB. Nesse esteira, execute o passo-a-passo, que seguem abaixo:

Em frente ao “MariaDB [(none)]>”, digite esse comando:

CREATE DATABASE glpi;

Ao executar a ‘query’ acima, deverá lhe aparecer o resultado abaixo: Isso significa que a instância do GLPI foi criada com sucesso.

4.3.2. Agora, nós vamos criar um usuário, cujo qual terá acesso total a essa nova instância. Desse modo, execute esse comando “query” dentro do banco de dados MariaDB:

CREATE USER glpiuser@localhost;

Nota: Observe que o “glpiuser“ é o nome do usuário que você irá criar. Portanto, você poderá alterá-lo para qualquer outro nome se, assim, quiser.

Ao executar a ‘query’ acima, deverá lhe aparecer o resultado abaixo: Isso significa que o usuário “glpiuser” foi criado com sucesso.

4.3.2.1. Depois de ter criado a conta de usuário acima, deveremos criar uma senha para ele. Assim sendo, execute a ‘query’, abaixo:

SET PASSWORD FOR glpiuser@localhost= PASSWORD("1234");

Sem pestanejar, a senha deverá ser cadastrada dentro do campo [PASSWORD (”     “)]. No meu caso, eu a deixei como: 1234. Ademais, note que essa senha está sendo cadastrada para àquele usuário: glpiuser.

Ao executar a ‘query’ acima, deverá lhe aparecer o resultado abaixo: Isso significa que foi cadastrado uma nova senha para o usuário “glpiuser”.

4.3.2.2. Por derradeiro, nós teremos que conceder  privilégios de acesso ao usuário “glpiuser”, para que possa acessar a instância do GLPI, bem como alterar as suas tabelas. Para isso, execute as ‘queries’, que seguem abaixo:

Query 1: Essa “query” dará permissão total ao usuário “glpiuser“, no que diz respeito à instância “gplpi“.

GRANT ALL PRIVILEGES ON glpi.* TO glpiuser@localhost IDENTIFIED BY "glpipasswd";

Query 2: Essa ‘query’ irá recarregar todos os privilégios desse usuário:

FLUSH PRIVILEGES;

Se tudo der certo, irá lhe aparecer os respectivos resultados:

4.3.2.3. Por fim, desconecte do banco de dados “MariaDB”:

exit

4.4. Após a execução dos procedimentos aventados acima, reinicie os respectivos serviços: Apache (httpd) e Mariadb.

systemctl start mariadb.services ou systemctl start mariadb
systemctl enable mariadb.service ou systemctl enable mariadb

5. Agora falta pouco… Precisamos apenas vincular o GLPI àquela instância que havíamos criado no passo 4.3.1. Para fazer isso, abra o seu navegador e digite:

http://IP_do_seu_servidor/glpi

Ao fazer isso, o seu acesso será redirecionado para essa URL:

http://192.168.15.15/glpi/install/install.php

Nota: O IP: 192.168.15.15 é o endereço da minha máquina virtual (servidor).

5.1. Na tela abaixo, escolha o idioma que você deseja instalar no seu GLPI. A parte boa é que tem o nosso idioma “Português do Brasil”. Enfim, selecione o idioma desejado e, depois, clique no botão “OK”.

5.2. Nesse ponto, você precisará aceitar ou não os termos da licença de uso. Depois, de ler o seu conteúdo, clique no botão “Continuar”, para prosseguir com a instalação.

5.3. Nesse passo, por tratar-se de uma novação instalação do GLPI, escolha a primeira opção “Instalar”.

5.4. A tela de “GLPI SETUP” mostra-nos o resultado da instalação. Em nosso caso, ele acusou que não estão instalados os respectivos módulos: “Ldap” e “Imap”. Sem pestanejar, esses módulos serão instalados em momento oportuno (mas nada lhe impede de fazer isso antes. ok?). E, ao final dessa tela, o sistema informa que pode haver alguns riscos de segurança, caso você prossiga com a instalação.

Seguem abaixo, os erros que surgiram para mim:

Testando a extensão ldap   A extensão ldap não está presente
Testando a extensão imap  A extensão imap não está presente
Testando a extensão imap Acesso web ao diretório de arquivos, não deveria ser permitido
Verifique a configuração do arquivo .htaccess e do servidor web.

Enfim, clique no botão “Continuar”, para prosseguir com os demais passos da instalação.

5.5. Na etapa 1 é onde você fará a conexão entre a interface web do GLPI com àquela instância que havíamos criado.

Preencha os campos acima, da seguinte forma:

5.5.1. Na etapa 2, você pode usar o banco de dados (instância) que havíamos criado anteriomente, no caso, o “glpi” ou você pode criar um novo banco de dados ou utilizar um já existente. Caso opte por essa segunda opção, a sua aplicação web (GLPI) ficará num servidor e a sua base de dados em outro.

Em nosso caso, selecionaremos a primeira opção, que é a “glpi”. Depois disso, clique no botão “Continuar”.

5.5.2. Na etapa 3, basta apenas clicar no botão “Continuar”, tendo em vista que, o banco de dados foi inicializado corretamente, conforme depreende-se abaixo:

5.5.3. Na etapa 4 e última, mostra que a instalação do GLPI / Banco de Dados foi concluída. E, logo abaixo, ela mostra o nome dos usuários e senhas, que você poderá usar para acessar o tela administrativa do GLPI, como por exemplo: Usuário: glpi, Senha: glpi.

5.6. Pronto! Agora é só fazer logon na tela de login do GLPI, com os dados informados no item anterior.

5.7. Ao fazer logon no GLPI, você irá se deparar com dois alertas, quais sejam:

Por motivos de segurança, por favor altere as senhas dos usuários padrão: glpi post-only tech normal  Por motivos de segurança, por favor altere as senhas dos usuários padrão: glpi post-only tech normal 
Por motivos de segurança, por favor remova o arquivo: install/install.php  Por motivos de segurança, por favor remova o arquivo: install/install.php 

Para removê-los, basta alterar a senha padrão de todos os usuários que foram criados, automaticamente, pelo GLPI. Isso deve ser feito na aba Administração > Usuários [primeiro alerta]. E, por fim, você precisa excluir ou alterar o nome do arquivo de instalação “Install.php” [segundo alerta], por motivos de segurança. Para fazer isso, acesse o diretório abaixo:

cd /var/www/html/glpi/install/

Depois, remova ou altera o nome do arquivo “install.php”.

Para removê-lo, digite esse comando:

rm -rf install.php

Para renomeá-lo, digite esse comando (eu acho isso mais prudente você usar essa opção):

mv install.php install.php.bkp

Pronto, após ter realizados os dois procedimentos acima (troca de senha e remoção ou renomeação do nome do arquivo “install.php”). Àquelas duas mensagens de erros irão desaparecer. A partir daqui, é só usar essa ferramenta extraordinária, para gerenciar os seus chamados, ativos, projetos e outros.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*